Postagem em destaque

#np Luan Santana & Sandy -  Mesmo Sem Estar Eu disse que te escreveria e por incrível que pareça, não estou sabendo como começar ou o...

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

A história de Alice II

(...)

            Nos casamos no ano seguinte, em 22 de Novembro de 1981. Eu já havia terminado o meu curso e estava trabalhando muito. Otávio estava no seu último ano de Direito.
            Em Junho de 1985 descobri que estava grávida do nosso primeiro filho, e para a alegria de Otávio seria um menino.
            Pietro nasceu em 17 de março de 1986. Nosso primeiro dos 3 que tivemos; três anos mais tarde veio a Ana Clara (89) e um ano depois a Gabrielly. Não poderíamos reclamar, Deus nos havia dado uma segunda chance e nós nos agarramos a ela e fomos uma família muito unida e feliz.

(...)

domingo, 9 de setembro de 2012

A história De Alice

Prazer,
             Sou Alice tenho 52 anos. Nasci e vive minha vida inteira em São Paulo.
Tive uma vida cheia de altos e baixos, mas uma vida muito FELIZ e não tenho do que reclamar. Comecei a namorar muito cedo; aos meus 12 anos apenas. Ele foi uma benção na minha vida desde o nosso primeiro encontro. Foi um presente divino de Deus. E estamos juntos todos esses anos, há quase 40 anos. Claro que como todo casal jovem, tivemos nossas brigas e nossas idas e vindas.
             Chegamos a ficar alguns anos separados, ele chegou a se casar com outra, antes de finalmente nos casarmos (...)
             Aos meus 16 anos, eu não estava mais aguentando todas as mentiras e traições dele. Brigamos feio e acabamos terminando. Cada um foi pro seu lado, o reencontrei dois anos depois, eu com meus 18 anos e ele com 21. Ficamos amigos, ele me contou que havia se casado com a menina com quem ele havia me traído  porém não deu certo, não tiveram filhos. Ele trabalhava em uma empresa muito conceituada naquela época. Eu ainda estudava e estava no meu primeiro ano de Jornalismo (...)
            Nos víamos quase todos os dias, e foi assim durante meses, até começarmos falar de nós e o que éramos.
            Ele dizia o quanto foi imaturo me trair e ter me deixado, e que todos os anos que passaram ele nunca havia me esquecido. - "Eu nunca te esqueci, Ali" - "Eu também nunca consegui te esquecer, Otávio. Eu tentei e como eu tentei.." Nos beijamos..
Se passaram dois anos depois daquele beijo, que nos fez reacender a chama que havíamos deixado apagar. E no dia 9 de Janeiro de 1980, Otávio me propôs casamento. Foi um dos dias mais felizes da minha vida.

(...)

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Há certas horas, em que não precisamos de um amor, não precisamos da paixão desmedida, não queremos beijo na boca e nem corpos a se encontrar na maciez de uma cama. Há certas horas, que só queremos a mão no ombro, o abraço apertado ou mesmo o estar ali, quietinho, ao lado, sem nada dizer…
William Shakespeare.